• LOGIN
  • Nenhum produto no carrinho.

O que é a contração e relaxamento muscular?

Icone png

Um dos pilares do Systema é o relaxamento. No entanto nossa ideia de relaxamento difere de muitas práticas mais comuns. O relaxamento que buscamos não é passivo, flácido. O que buscamos é um relaxamento ativo, consciente. Vamos falar um pouco mais sobre as características e fisiologia dos músculos para explicar porque o relaxamento ativo é importante para a prática do Systema.

            A fibra muscular, ou a célula muscular, possui muitos filamentos chamados de miofibrilas. As miofibrilas são filamentos actina (filamentos mais finos) e miosina (filamentos mais grossos) que se organizam paralelas entre si em feixes longitudinais. Quando ocorre a contração muscular, esses filamentos de actina e miosina deslizam um sobre o outro, fazendo com que a célula se encurte. Milhares de fibras musculares atuando ao mesmo tempo irá resultar no movimento. Mas para que essa sobreposição ocorra é necessário que íons de cálcio entrem na célula (os íons de cálcio interagem com uma molécula chamada troponina que “esconde” da miosina a actina. Como a actina e miosina possuem uma atração muito forte, a troponina impede que a actina interaja constantemente com a miosina e, quando há cálcio ele afasta a troponina deixando pontes de ligação para a actina com a miosina).

Mas para que os íons de cálcio entre na célula muscular, um neurotransmissor que é liberado por nervos motores, a acetilcolina, precisa abrir os canais iônicos que permitem a entrada do cálcio. O cálcio fica também armazenado dentro da célula, em uma estrutura chamada retículo sarcoplasmático. Quando o cálcio entra na célula ele estimula o retículo a liberar o cálcio que está guardado e a contração ocorre. Tudo isso acontece em milissegundos.

Um aspecto importante é que quanto mais fibras musculares foram ativadas, maior será a capacidade de gerar força (tensão) daquele músculo. Quem coordena o quanto um músculo irá contrair são os nervos motores através das placas motoras. As placas motoras, ou junções mioneurais correponde à união ente fibras musculares e o nervo motor. Assim quando um nervo recebe impulsos nervosos, ele libera a acetilcolina na placa motora que permite a entrada de íons na célula muscular. Uma única fibra nervosa pode inervar uma única fibra muscular ou então se ramificar e inervar até 160 fibras musculares. Quem controla a graduação da intensidade de contração é a célula nervosa que decide quantas fibras musculares ele irá ativar. Normalmente os músculos que precisam de uma quantidade maior de controle e delicadeza de movimentos, como os da mão, uma única fibra nervosa irá inervar uma única fibra muscular, enquanto em músculos maiores a fibra nervosa irá se ramificar.

No entanto, para que haja uma produção de tensão adequada, é preciso haver espaço para o deslizamento das miofibrilas (actina e miosina). A tensão desenvolvida pela contração muscular depende do comprimento do músculo para o deslizamento. A tensão máxima é realizada quando o músculo se encontra em comprimento ótimo, o comprimento de repouso e diminui conforme o músculo é alongado ou encurtado (por excesso de tensão). Quando a fibra muscular está no comprimento de repouso ocorre o deslizamento dos filamentos no qual todos os pontos de ligação entre a actina e miosina estão livres. Quando há um afastamento entre os filamentos, a tensão diminui porque há menos pontos de conexão. Quanto mais afastado menos pontos haverão até não haver mais pontos de conexão e não ser possível gerar tensão. Quando há um encurtamento da fibra muscular, um filamento se sobrepõe e interfere nos pontos de ligação entre a actina e miosina, reduzindo a tensão.

contração muscular

No Systema buscamos  o terceiro momento (da esquerda para direita) do de posicionamento das miofribrilas para conseguir gerar um ponto ótimo de força

Um evento como trauma ou um excesso de liberação de acetilcolina na junção mioneural pode resultar na liberação excessiva de cálcio pelo retículo sarcoplasmático levando a uma contratura muscular. Quando um músculo apresenta contratura, há uma redução do fluxo sanguíneo, que diminui o fornecimento de energia para e induz a uma falha na recepção de cálcio para o retículo sarcoplasmático favorecendo com que o ciclo continue. Desta forma a contratura pode permanecer estável ou aumentar.

Uma consequência da contratura muscular é a contração conjunta dos tecidos conjuntivos que o cercam (endomísio, perimísio e epimísio) o que irá limitar o movimento das articulações próximas. Imagine que alguém está puxando sua camiseta para baixo e você tenta levantar o braço. Você até consegue realizar o movimento, só precisará de mais força para fazer isso. O que também diminui o fluxo sanguíneo e faz com que o músculo fadigue mais rapidamente.

Para o Systema é importante que haja um relaxamento muscular para melhorar a potência de um golpe, permitir que as articulações se movam por toda sua amplitude e garantir que haja um suprimento sanguíneo adequado para a contração. Por isso trabalhamos para relaxar o corpo principalmente na musculatura profunda que costuma guardar muita tensão.

 

Caso você queria saber mais sobre esse assunto

http://www.bodyworkmovementtherapies.com/article/S1360-8592(14)00086-2/abstract

http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23725488

21/07/2017

Quer saber mais?

Entre em contato conosco

contato@artemarcialrussa.com.br
Rua Capital Federal 102 São Paulo/sp
11 2368-1027

11 99942-7902

Venha para uma aula experimental!

Assine nossa Newsletter

  Fique por dentro das novidades
© Systema Brazil. Todos os direitos reservados
X